Clique na figura ao lado para comprar livros de Tercival Psicanalista
  Venda de Livros
 
 
Página Inicial
Histórico
Fatos e Fotos
Vídeos
Arquivos de Audios
Notícias
Links
Fale Conosco
 Notícias
segunda-feira, 21 de maio de 2012
Dependência química e Psicanálise
     Por www,bancodesaude.com.br
 

Neste material sobre a dependência química será feito uma leitura psicanalítica, partindo da discussão teórica freudiana.

A visão da Teoria Psicanalítica sobre o comportamento dos adictos em narcóticos foi descrito em termos de fixação libidinal com regressão em níveis pré-genitais, orais ou mesmo mais arcaica do desenvolvimento psicossexual.

A necessidade de explicar a relação do abuso de drogas com mecanismos de defesa, controle de impulsos, perturbações afetivas e mecanismos de adaptação levou à mudança das formulações psicossexuais para formulações que salientavam a psicologia do ego. Freqüentemente, considera-se que uma séria patologia do ego, está associada com o abuso de substância, sendo considerada como indicativa de profundas perturbações do desenvolvimento. Problemas da relação entre ego e o afeto emergem como uma área problemática fundamental.

As teorias psicodinâmicas e psicossociais têm contribuído para a identificação da problemática em questão, a dependência de drogas. Onde, o abuso de substância seria um equivalente da masturbação, uma defesa contra impulsos homossexuais ou uma manifestação de regressão oral. As formulações psicodinâmicas recentes envolvem uma relação entre o uso de substâncias e depressores ou como um reflexo de uma perturbação das funções do ego.

Freud e o debate acerca da dependência química consideravam as toxicomanias e o alcoolismo como sucedâneos da masturbação, que, para ele, constituía o "hábito primário". Depois, e com referência específica ao álcool, Freud afirmava, em seu estudo “O chiste e sua relação com o inconsciente (1904)”, que, sob a influência do álcool, “[...] o homem adulto passa a comportar‑se cada vez mais como uma criança que encontra prazer tendo à sua disposição, livremente, o curso dos seus pensamentos, sem submeter‑se à compulsão da lógica” Ou seja, em 1904, Freud considerava que o alcoolismo manifestava impulsos regressivos que permitiam acreditar que o álcool, sem deixar de ser um sucedâneo, não era já, primariamente, substituto de necessidades masturbatórias adolescentes, mas sim infantis. E, na medida em que relaciona as diferentes formas de drogadição com a satisfação de necessidades infantis primárias, Freud pode afirmava que as origens da toxicomania deviam ser procuradas na fase oral do desenvolvimento.

Para a psicanálise a regressão é como um retorno a formas anteriores do desenvolvimento do pensamento, das relações e da estruturação do comportamento. Segundo Laplanche, um processo psíquico que contenha um sentido de percurso ou de desenvolvimento designa-se por regressão um retorno em sentido inverso desde um ponto já atingido até um ponto situado antes desses.

Em conseqüência, a partir de uma perspectiva rigorosamente freudiana, a drogadição pode ser interpretada em termos de fixação oral; ou seja, os fatores desencadeadores devem localizar‑se nesta área de desenvolvimento da libido da pessoa em questão. É por isso que a grande contribuição de Freud neste campo relaciona‑se com a teoria da dinâmica da oralidade, com respeito à qual salientou aspectos fundamentais, como a intolerância à espera na satisfação do desejo, a importância da fixação, da regressão etc.

A fixação é o processo pelo qual a psicanálise define como: manifestação da experiência infantil, que se repetem dentro de um quadro patológico, ou seja, influência e a repetição das experiências passadas. O fato de a libido se ligar fortemente a pessoas ou imagos, de reproduzir determinado modo de satisfação e permanecer organizada segundo a estrutura característica de uma das suas fases evolutivas. A fixação pode ser manifesta e real ou constituir uma virtualidade prevalecente que abre ao sujeito o caminho de uma regressão.

Auto-erotismo e a sensação de prazer em sentido amplo é característica de um comportamento sexual em que o sujeito obtém a satisfação recorrendo unicamente ao seu próprio corpo, sem objeto exterior: neste sentido, a masturbação é considerada como comportamento auto-erótico. Segundo Freud os lábios da criança comportam-se como uma zona erógena e a satisfação desta zona erógena deve ter se associado com a necessidade de alimento. Diríamos que os lábios da criança comportam-se como uma zona erógena, a estimulação pelo fluxo cálido de leite foi sem dúvida a origem da sensação prazerosa. A princípio, a satisfação da zona erógena deve ter-se associado com a necessidade de alimento. A atividade sexual apóia-se primeiramente numa das funções quer serve à preservação da vida, e só depois se torna independente delas.

O auto-erotismo e o chucar. Freud aborda a questão do chucar que a criança pratica com o próprio corpo, mas ainda aponta para a ausência do chucar e a falta de reforçamento dele, que pode acarretar ao indivíduo adulto um poderoso motivo para beber e fumar. “Nem todas as crianças praticam o chucar. É de se supor que cheguem a fazê-lo aquelas em que a significação erógena da zona labial for constitucionalmente reforçada. Persistindo essa significação, tais crianças, uma vez adultas, serão apreciadoras do beijo, tenderão a beijos perversos ou, se forem homens, terão um poderoso motivo para beber e fumar “(FREUD).

A partir do auto-erotismo o indivíduo desenvolve o narcisismo. O termo narcisismo é atitude de uma pessoa que trata seu próprio corpo da mesma forma pela qual o corpo de um objeto sexual é comumente tratado. No processo de drogadição o indivíduo pode apresentar certo grau de narcisismo, pois a libido objetal é dirigida para a droga que através do consumo retorna para ele, afastando-o do mundo externo, ou seja, a energia libidinal é dirigida para o ego dando margem a uma atitude que pode ser de narcisismo. A introversão da libido conduz a uma catexia do ego, o que possivelmente produz o resultado de uma perda da realidade.

Todo assunto discorrido até aqui vem aponta que a droga representa para o adicto: comida e segurança/proteção, reconduzindo o dependente químico aos estágios mais primitivos de relacionamentos. Que precisa de amor para sobreviver. E na sua fantasia, como na de criança, a demanda de amor e sinônimo de comida, já que um outro lhe trazem a mesma sensação, tão procurada de apaziguamento. É um acordo de paz. Conseguindo a preço de ouro em pó, em troca de sorver o conteúdo mágico que supõe reconstruir um paraíso perdido.



 
PUBLICIDADE
Almoço para mordores de rua
Disk Bíblia
Sociedade dos poetas vivos
Down
Atendente de Enfermaem
Encceja
Pai de aluguel
Toque corações
SOS Africa
Facebook
O lOuvor nosso de cada dia
Trabalho voluntário
Tcb
Brazil 4 life
Cuidador de idosos
Canal do Tercival
Fé e Enfermagem
cesab
Jesus vence as drogas - O livro
Bíblia
Deus é Bom
Aborto
Cpc
Projeto Edificando
CCC
Amigos de Jesus
jvd
Projeto Teo
Deus Feto
Fe e enfermagem
Whatsapp
Nosso amigo o dom
FALE CONOSCO
Radio
Pré Escola Comunitária
CBP
Curso de Psicanálise Cristã
Casa de REcuperação


Comunidade Evangélica Virtual Deus é Bom
Fale Conosco | contato@deusebom.com
Todos os direitos reservados