CPC
Clínica de Psicanálise Cristã
Rua dos Melros, 68
Vila Cardoso Franco - São Paulo
Cep 03978-360
Fones: (11) 998.641.845
  Clube de autores
 
 
Página Inicial
Histórico
Fatos e Fotos
Vídeos
Notícias
Links
Divã Virtual
Cadastro .    
Login .    
Fale Conosco
 Notícias
segunda-feira, 21 de maio de 2012
Dependência química e Psicanálise
     Por www,bancodesaude.com.br
 

Neste material sobre a dependência química será feito uma leitura psicanalítica, partindo da discussão teórica freudiana.

A visão da Teoria Psicanalítica sobre o comportamento dos adictos em narcóticos foi descrito em termos de fixação libidinal com regressão em níveis pré-genitais, orais ou mesmo mais arcaica do desenvolvimento psicossexual.

A necessidade de explicar a relação do abuso de drogas com mecanismos de defesa, controle de impulsos, perturbações afetivas e mecanismos de adaptação levou à mudança das formulações psicossexuais para formulações que salientavam a psicologia do ego. Freqüentemente, considera-se que uma séria patologia do ego, está associada com o abuso de substância, sendo considerada como indicativa de profundas perturbações do desenvolvimento. Problemas da relação entre ego e o afeto emergem como uma área problemática fundamental.

As teorias psicodinâmicas e psicossociais têm contribuído para a identificação da problemática em questão, a dependência de drogas. Onde, o abuso de substância seria um equivalente da masturbação, uma defesa contra impulsos homossexuais ou uma manifestação de regressão oral. As formulações psicodinâmicas recentes envolvem uma relação entre o uso de substâncias e depressores ou como um reflexo de uma perturbação das funções do ego.

Freud e o debate acerca da dependência química consideravam as toxicomanias e o alcoolismo como sucedâneos da masturbação, que, para ele, constituía o "hábito primário". Depois, e com referência específica ao álcool, Freud afirmava, em seu estudo “O chiste e sua relação com o inconsciente (1904)”, que, sob a influência do álcool, “[...] o homem adulto passa a comportar‑se cada vez mais como uma criança que encontra prazer tendo à sua disposição, livremente, o curso dos seus pensamentos, sem submeter‑se à compulsão da lógica” Ou seja, em 1904, Freud considerava que o alcoolismo manifestava impulsos regressivos que permitiam acreditar que o álcool, sem deixar de ser um sucedâneo, não era já, primariamente, substituto de necessidades masturbatórias adolescentes, mas sim infantis. E, na medida em que relaciona as diferentes formas de drogadição com a satisfação de necessidades infantis primárias, Freud pode afirmava que as origens da toxicomania deviam ser procuradas na fase oral do desenvolvimento.

Para a psicanálise a regressão é como um retorno a formas anteriores do desenvolvimento do pensamento, das relações e da estruturação do comportamento. Segundo Laplanche, um processo psíquico que contenha um sentido de percurso ou de desenvolvimento designa-se por regressão um retorno em sentido inverso desde um ponto já atingido até um ponto situado antes desses.

Em conseqüência, a partir de uma perspectiva rigorosamente freudiana, a drogadição pode ser interpretada em termos de fixação oral; ou seja, os fatores desencadeadores devem localizar‑se nesta área de desenvolvimento da libido da pessoa em questão. É por isso que a grande contribuição de Freud neste campo relaciona‑se com a teoria da dinâmica da oralidade, com respeito à qual salientou aspectos fundamentais, como a intolerância à espera na satisfação do desejo, a importância da fixação, da regressão etc.

A fixação é o processo pelo qual a psicanálise define como: manifestação da experiência infantil, que se repetem dentro de um quadro patológico, ou seja, influência e a repetição das experiências passadas. O fato de a libido se ligar fortemente a pessoas ou imagos, de reproduzir determinado modo de satisfação e permanecer organizada segundo a estrutura característica de uma das suas fases evolutivas. A fixação pode ser manifesta e real ou constituir uma virtualidade prevalecente que abre ao sujeito o caminho de uma regressão.

Auto-erotismo e a sensação de prazer em sentido amplo é característica de um comportamento sexual em que o sujeito obtém a satisfação recorrendo unicamente ao seu próprio corpo, sem objeto exterior: neste sentido, a masturbação é considerada como comportamento auto-erótico. Segundo Freud os lábios da criança comportam-se como uma zona erógena e a satisfação desta zona erógena deve ter se associado com a necessidade de alimento. Diríamos que os lábios da criança comportam-se como uma zona erógena, a estimulação pelo fluxo cálido de leite foi sem dúvida a origem da sensação prazerosa. A princípio, a satisfação da zona erógena deve ter-se associado com a necessidade de alimento. A atividade sexual apóia-se primeiramente numa das funções quer serve à preservação da vida, e só depois se torna independente delas.

O auto-erotismo e o chucar. Freud aborda a questão do chucar que a criança pratica com o próprio corpo, mas ainda aponta para a ausência do chucar e a falta de reforçamento dele, que pode acarretar ao indivíduo adulto um poderoso motivo para beber e fumar. “Nem todas as crianças praticam o chucar. É de se supor que cheguem a fazê-lo aquelas em que a significação erógena da zona labial for constitucionalmente reforçada. Persistindo essa significação, tais crianças, uma vez adultas, serão apreciadoras do beijo, tenderão a beijos perversos ou, se forem homens, terão um poderoso motivo para beber e fumar “(FREUD).

A partir do auto-erotismo o indivíduo desenvolve o narcisismo. O termo narcisismo é atitude de uma pessoa que trata seu próprio corpo da mesma forma pela qual o corpo de um objeto sexual é comumente tratado. No processo de drogadição o indivíduo pode apresentar certo grau de narcisismo, pois a libido objetal é dirigida para a droga que através do consumo retorna para ele, afastando-o do mundo externo, ou seja, a energia libidinal é dirigida para o ego dando margem a uma atitude que pode ser de narcisismo. A introversão da libido conduz a uma catexia do ego, o que possivelmente produz o resultado de uma perda da realidade.

Todo assunto discorrido até aqui vem aponta que a droga representa para o adicto: comida e segurança/proteção, reconduzindo o dependente químico aos estágios mais primitivos de relacionamentos. Que precisa de amor para sobreviver. E na sua fantasia, como na de criança, a demanda de amor e sinônimo de comida, já que um outro lhe trazem a mesma sensação, tão procurada de apaziguamento. É um acordo de paz. Conseguindo a preço de ouro em pó, em troca de sorver o conteúdo mágico que supõe reconstruir um paraíso perdido.



 
PUBLICIDADE
Entendendo a esquizofrenia
A arca de lavicret
CCC
mano Down
Toque corações
Jesus vence as drogas - O livro
Whatsapp
Radio
Fe e enfermagem
Filmes grátis
Fé e Enfermagem
Bíblia
Sociedade dos poetas vivos
Nosso amigo o dom
FALE CONOSCO
Trabalho voluntário
Facebook
Deus feto
Projeto Teo
O lOuvor nosso de cada dia
Almoço para mordores de rua
Deus é Bom
Atendente de Enfermaem
cesab
Pré Escola Comunitária
Amme
Casa de REcuperação
Curso para cuidadores de idosos
Amigos de Jesus
CBP
SOS Africa


Comunidade Evangélica Virtual Deus é Bom
Fale Conosco | contato@deusebom.com
Todos os direitos reservados